Toca uma pra mim! – Músicas sobre siririca

O Xotanás listou para vocês cinco músicas em que a siririca é a principal inspiração. Tem siririca para dar sono, siririca feita apenas pelo prazer do ato, siririca triste, siririca apaixonada… De todos os tipos. Solta o som, DJ, e manda ver no scratch!

Courtney Barnett – Lance Jr

Na música “Lance Jr”,  de 2012, a cantora, compositora e guitarrista australiana Courtney Barnett começa com uma confissão: “eu me masturbei para as músicas que você escreveu”… A partir daí ela narra uma daquelas siriricas que você bate antes de dormir, pra pegar no sono, sabe? Ela diz que “isso pareceu errado, mas durou pouco”, e as músicas – muito apreciadas pela moça – ressuscitaram as esperanças dela. No entanto, antes que a bola de algum rapaz encha, ela continua cantando: “isso não significa que eu gosto de você, cara”. E explica que o combo música + siririca ajuda a pegar no sono – e é mais barato que temazepam (substância utilizada em medicamentos que tratam insônia, ansiedade e etc). Dizem que a música se chama “Lance Jr” por conta da similaridade em relação à “Lance” do Dandy Wharols que, por sua vez, foi inspirada por “Polly” do Nirvana. Centopeia humana referencial, ufs.

 

P!nk – Fingers

Já chorei escondida no quarto, cantando músicas da P!nk bem alto, quando eu ainda era apenas uma jovem em idade escolar. Mas o que eu não sabia é dessa música dela sobre masturbação. Se tivesse escutado antes, talvez ideias melhores do que dramatizar todo e qualquer acontecimento miserável daquele período houvessem aparecido na minha cabecinha. Em “Fingers”, que significa “dedos” em inglês, a cantora norte-americana conta a história de uma siririca tocada na calada da noite e, como na música anterior, bem na hora de dormir. Em uma biografia dela (que dá pra ler uns trechos aqui), está escrito que a música é sobre ela filmando a própria masturbação – e que foi utilizada por um comercial de celular no Taiwan e na Coreia. Será que era algum aparelho novo, com uma super vibração? A música, uma faixa bônus de 2006, é repleta de gemidos de prazer e gritos de “me vengo, me vengo”, indicando que P!nk chegou lá, em inglês, taiwanês, coreano e espanhol. Ui!

 

Divinyls – I touch myself

Essa é clássica, né? “I touch myself” – ou “Eu me toco” – é da banda australiana Divinyls e foi lançada em 1990. Desde então, se tornou um grande hino da masturbação feminina, alcançando diversos o topo das paradas de sucesso de diversos cantos do mundo – mesmo nos Estados Unidos, que com o seu costumeiro falso moralismo, implicou com a música e algumas rádios se recusaram a tocar que uma mulher se tocava. Outros países de língua inglesa também ficaram cabreiros com o tema, o que não impediu que uma mulher dizendo em alto e bom som que bate uma siririca pensando na pessoa amada se tornasse um hit da época – mesmo hoje escuto essa música por aí, em festas. A canção é o retrato de uma siririca apaixonada: “eu não quero nenhuma outra pessoa, quando penso em você, eu me toco”, canta a vocalista Christina Amphlett.

 

Charli XCX – Body of my own

“Eu não preciso de você, meu toque é melhor”, canta a inglesa Charli XCX, que pelo visto se conhece bem. Em “Body of my own” (ou “Meu próprio corpo”), a cantora mostra que as mulheres não precisam estar com alguém para conseguirem obter prazer e ter um bom momento. Em uma entrevista ao jornal britânico The Times, a garota disse que a música não é apenas sobre masturbação feminina, mas também uma afirmação feminista com o intuito de dizer às mulheres que elas devem ser donas do próprio corpo. “Body of my own” é de 2014, super atual! Isso indica que as minas vão falar cada vez mais de siririca sim, gostem ou não.

 

The Dresden Dolls – First Orgasm

Certa vez, a Amanda Palmer twittou que “First orgasm” é a música mais triste sobre masturbação e solidão que ela já escreveu. Em “Primeiro orgasmo”,  ela canta que está muito ocupada para ter amigos, um namorado iria atrapalhar a rotina e amor é algo que está fora de cogitação. Logo, o que sobra é resolver as coisas com as próprias mãos.  A música narra uma manhã solitária, em que uma siririca é tocada com o mesmo tédio de se preparar o desjejum e o orgasmo chega, frio e indiferente, junto com o barulho das crianças brincando na rua. “Eu mal percebo que estou gozando”, diz a letra, comprovando que siririca também pode ser uma coisa melancólica.

Post por Vulva Revolução.

Um comentário sobre “Toca uma pra mim! – Músicas sobre siririca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *